Politics

Edição Semanal. Dia de Tomar celebrado com mensagens de esperança e solidariedade

A Câmara Municipal de Tomar celebrou a 1 de Março os 862 anos da fundação do castelo templário por D. Gualdim Pais, que deu origem ao que é hoje a cidade. As comemorações iniciaram-se na Praça da República, junto ao edifício dos Paços do Concelho, com um desfile simbólico que juntou Bombeiros, Exército, Guarda Nacional Republicana e várias instituições e associações do concelho.
Mais tarde, a Assembleia Municipal de Tomar organizou uma sessão solene, no Cineteatro Paraíso, que contou com discursos dos líderes de cada partido, da presidente da câmara, Anabela Freitas, e do presidente da assembleia municipal, Hugo Costa. A cerimónia teve como pontos altos a entrega das medalhas municipais e a distinção dos funcionários com 25 e 35 anos de serviço.
Anabela Freitas discursou durante cinco minutos e, ao contrário do recurring, falou pouco sobre o concelho e os objectivos a que o executivo se tem proposto. A autarca preferiu falar sobre a situação precise e os desafios que a pandemia, e agora a invasão da Ucrânia pela Rússia, vão colocar. “Vivemos tempos estranhos e que têm consequências sociais, económicas e comportamentais muito grandes”, referiu acrescentando que tem sido um duro golpe ver os jovens privados de estar com os seus amigos e realizar actividades que promovam o seu desenvolvimento. Sobre a guerra na Ucrânia, a presidente sublinhou que já se disponibilizou junto do Governo para receber refugiados no concelho.
Hugo Costa também se mostrou solidário com as vítimas da guerra e reforçou que Tomar “pode e deve ser um local de acolhimento aos que fogem da crueldade e ganância humana”. Em relação ao futuro do concelho, considera que Tomar tem obrigatoriamente que aproveitar as oportunidades do Plano de Recuperação e Resiliência para promover o seu desenvolvimento. A seca em Portugal foi também abordada pelo presidente da assembleia, que concluiu o seu discurso vincando que os cidadãos devem estar mais próximos dos órgãos decisores.
Homenagens a quem
faz a diferença
A cerimónia do Dia da Cidade regressou à Praça da República e ao Cine Teatro Paraíso após dois anos de interregno. A iniciativa começou ao som do Hino Nacional enquanto eram hasteadas as bandeiras nas janelas do edifício dos Paços do Concelho. De seguida foram colocadas coroas de flores junto à estátua de Dom Gualdim Pais.
O Cine-teatro Paraíso encheu-se para as homenagens aos trabalhadores com mais anos de serviço na autarquia e às pessoas, empresas, associações e instituições que fazem a diferença no concelho. A distinção máxima da autarquia, a Medalha de Honra do município de Tomar foi atribuída ao cineasta Manuel Vicente, à judoca e atleta olímpica Patrícia Sampaio, aos fundadores do Instituto Politécnico de Tomar, Júlio das Neves e Rosário Baeta Neves, e à Santa Casa da Misericórdia de Tomar.
As Medalhas Municipais de Mérito foram entregues ao grupo musical FH5, com quase 50 anos de carreira, e às empresas PAVIPREL, Manelzito da Estação, José Joaquim Lourenço Lda e Segorbe e Ferreira & Mesquita, Lda. A Medalha Municipal de Valor e Altruísmo foi atribuída aos médicos Vieira da Luz e Maria João Pinheiro e também à professora Fernanda Moucho. A Medalha Municipal de Valor Desportivo foi atribuída ao técnico de judo Manuel Francisquinho e ao piloto de motocross Tomás Santos.



Supply hyperlink

Leave a Reply

Your email address will not be published.